21 97280-7883 21 98034-7755 santarosa@gbniteroi.com.br

Bullying, violência escolar e os benefícios da pratica do Jiu-jitsu

Você sabe o que é bullying? Sabe que é um problema para quem pratica e para quem sofre? Nós da Gracie Barra Santa Rosa, escola Premium Jiu-Jitsu em Niterói, temos um compromisso com o desenvolvimento pessoal e a qualidade de vida de nossos alunos. Portanto temos muita preocupação sobre este tema tão relevante.

O bullying é um problema universal e na maioria das vezes manifesta-se em maior intensidade no ambiente escolar. Para compreendermos melhor como é possível ajudar nossas crianças, buscamos algumas respostas para questões que consideramos importantes referente ao assunto.

Uma das grandes autoridades no combate ao bullying no país é o Doutor Aramis A. Lopes Neto e foi em uma de suas pesquisas que encontramos muitas das respostas que buscávamos. Em seu trabalho “Bullying – comportamento agressivo entre estudantes” o Doutor Aramis nos dá uma verdadeira aula sobre o tema.

Gostaríamos de lembrar que, como o próprio Doutor Aramis esclarece, infelizmente, conhecemos do dia a dia várias formas de violência praticadas nas escolas. Esta violência pode manifestar-se de várias maneiras. Geralmente começa com um “simples” dano ao patrimônio e algumas vezes evolui até mesmo para atos criminosos. O bullying é mais uma dessas manifestações da violência.

Como podemos definir o bullying? A Gracie Barra Santa Rosa foi procurar entender

De acordo com o Doutor Aramis, o bullying caracteriza-se como a prática de atitudes agressivas, intencionais e frequentes, geralmente no ambiente escolar. São atitudes que possuem clara motivação sendo praticadas por um ou mais estudantes contra outro. Elas têm o objetivo de causar dor e angústia e ocorrem em uma “relação desigual de poder”.
Por relação desigual de poder considera-se por vezes a diferença de idade, no tamanho, o próprio desenvolvimento físico ou emocional ou ainda do maior apoio no grupo de estudantes.

Interessante destacar que a violência que é praticada pelo jovem que se apresenta maior fisicamente não é um problema novo. Ela está na origem de muitas artes marciais, em especial do nosso Jiu-jitsu. Como dizia o grande mestre Hélio Gracie:

“O Jiu-jitsu que criei foi para dar chance aos mais fracos enfrentarem os mais pesados e fortes”

Jiu-jitsu infantil
Agende uma aula gratuita

Sobre os autores, alvos e testemunhas de bullying

Nós da Gracie Barra Santa Rosa, em Niterói, identificamos, de acordo com o Doutor Aramis, três principais atores envolvidos na prática de bullying: os autores, os alvos e as testemunhas de bullying. Procuramos identificar como a prática regular do Jiu-Jitsu pode contribuir para o desenvolvimento de cada um dos atores, de que forma a metodologia Gracie Barra pode contribuir para um ambiente escolar mais saudável, pacífico, seguro e principalmente de irmandade entre crianças e jovens.

O alvo do bullying e os benefícios da prática do Jiu-jitsu

O primeiro dos atores, o alvo do bullying é o aluno que sofre as agressões. O Doutor Aramis destaca dois pontos importantíssimos que fizemos questão de trazer nas palavras do próprio pesquisador. Ele se refere ao perfil e alguns aspectos da personalidade dos alvos e de algumas condições facilitadoras para que essas crianças ou adolescentes se tornem alvos. Leia com atenção:

“O primeiro dos aspectos referente ao perfil do alvo é que “em geral, não dispõe de recursos, status ou habilidade para reagir ou cessar o bullying. Geralmente, é pouco sociável, inseguro e desesperançado quanto à possibilidade de adequação ao grupo. Sua baixa autoestima é agravada por críticas dos adultos sobre a sua vida ou comportamento, dificultando a possibilidade de ajuda. Tem poucos amigos, é passivo, retraído, infeliz e sofre com a vergonha, medo, depressão e ansiedade. Sua autoestima pode estar tão comprometida que acredita ser merecedor dos maus-tratos sofridos”.

Já o segundo aspecto, no que se refere às condições facilitadoras para que uma criança ou adolescente se torne alvo de bullying é

“proteção excessiva, gerando dificuldades para enfrentar os desafios e para se defender; tratamento infantilizado, causando desenvolvimento psíquico e emocional aquém do aceito pelo grupo; e o papel de bode expiatório da família, sofrendo críticas sistemáticas e sendo responsabilizado pelas frustrações dos pais”.

Muitos dos pais que matriculam seus filhos em uma escola de artes marciais buscam que seus filhos possam simplesmente reagir às agressões sofridas de forma incisiva e porque não de uma maneira violenta? No entanto essa não é a proposta do Jiu-jitsu.

Não restam dúvidas sobre o potencial do Jiu-jitsu praticado em nossa escola Gracie Barra Santa Rosa, em Niterói. O Jiu-Jitsu é uma arte marcial extremamente eficiente enquanto defesa pessoal, fato comprovado tanto nas competições de artes marciais mistas quanto em situações reais de conflito vividas por forças militares ou policiais ao redor do mundo. Porém, acreditamos que os benefícios comportamentais são ainda mais importantes. Pode-se trabalhar as fragilidades emocionais, comportamentais e sociais de criança, de forma que ela não seja um alvo para essa prática que tanto impacta a vida dos jovens ultimamente.

O Jiu-jitsu ensinado e praticado na Gracie Barra Santa Rosa contribui para o desenvolvimento emocional de crianças e adolescentes como já foi dito em outro conteúdo aqui mesmo no site, numa entrevista com a Doutora Sandra Sasaki:

“o Jiu-jitsu é uma jornada de autoconhecimento de suas limitações e capacidades, de superação entre outros tantos benefícios”

Os autores do bullying e como a prática do Jiu-jitsu pode auxiliar crianças e adolescentes com comportamento agressivo

O segundo dos atores é o autor do bullying. É o agressor propriamente dito. Mais uma vez o Doutor Aramis destaca dois pontos importantíssimos que trazemos para você. O primeiro dos pontos é a dinâmica familiar. Ela pode contribuir diretamente para o desenvolvimento de um comportamento agressivo das crianças e adolescentes.

“Pode-se identificar a desestruturação familiar, o relacionamento afetivo pobre, o excesso de tolerância ou de permissividade e a prática de maus-tratos físicos ou explosões emocionais como forma de afirmação de poder dos pais”

Outro ponto considerado trata de aspectos próprios e que influem na adoção de seu comportamento agressivo:

“hiperatividade, impulsividade, distúrbios comportamentais, dificuldades de atenção, baixa inteligência e desempenho escolar deficiente”.

Sobre esses pontos mais uma vez aconselhamos a leitura da entrevista com a Doutora Sandra Sasaki, publicado aqui na página da Gracie Barra Santa Rosa, que além de tratar dos benefícios para o relacionamento entre pais e filhos quando estes compartilham experiências no tatame, trata dos benefícios da prática do Jiu-jitsu para crianças com comportamento agressivo:

Crianças agressivas não nascem agressivas. A agressividade é um sintoma. Crianças pequenas não sabem nomear seus sentimentos com clareza, então muitas vezes elas reagem a essa dor emocional expressando agressivamente as angústias que estão sentindo. Identificar onde está essa ferida nem sempre é um trabalho fácil. É necessário muitas vezes procurar um profissional especializado.
As artes marciais em paralelo a um acompanhamento especializado podem ajudar a criança agressiva a canalizar essa força de uma forma mais construtiva. A criança pode aprender a respeitar seus adversários e a lidar melhor com esses sentimentos

Quem são as testemunhas da prática de bullying

O terceiro ator é a testemunha pode se apresentar de três formas diferentes, de acordo com o Doutor Aramis: podem ser auxiliares na agressão, somente observadores ou mesmo defensores. Os defensores que aqueles que intervém diretamente ou através de um adulto com o objetivo de encerrar a agressão.

É importante em relação à testemunha que na maioria das vezes suas ações são muito positivas. Elas podem cessar a agressão e fazer com que o autor veja que ele não possui o apoio do grupo.

Bullying, a discussão não se encerra aqui

O problema da violência nas escolas, em particular a relacionada ao bullying ocorre em todo o mundo. Ele deve ser discutido e compreendido.

Nós da Gracie Barra Santa Rosa, em Niterói, procuramos trazer para vocês algumas informações que consideramos importantes pelo nosso compromisso com o desenvolvimento emocional de nossas crianças e adolescentes. Acesse na íntegra o artigo do Doutor Aramis e conheça mais sobre o seu trabalho. Leia também e compartilhe a entrevista da Doutora Sandra Sasaki e discuta com seus amigos a respeito das ideias apresentadas.

Acreditamos no potencial do Jiu-jitsu ensinado e praticado em nossa escola como ferramenta importantíssima para auxiliar no combate a essa forma de violência. Faça-nos uma visita e agende uma aula experimental gratuita. Traga seu filho.

Compartilhe esse conteúdo em suas redes sociais. Acreditamos que assim como esse conteúdo pode ser útil para você ele possa ser ser útil para mais pessoas. Afinal como dizia o Mestre Carlos Gracie

“Falar a todos de felicidade, saúde e prosperidade”.

Publicado em 8 de abril de 2019 por